Google+ Followers

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Quando deixar de voar





Quando deixar de voar
Batam palmas e entoem canções
Dancem a dança da luz
Pois estarei viva
Nas asas da última ave

Quando deixar de voar
Dancem ao som de tambores
Porque as minhas asas bailam
No lusco-fusco do tempo

Quando deixar de voar
Desprendam gargalhadas ao vento
Cantem cânticos de alegria
Porque continuarei viva
Nas asas do último falcão


12 comentários:

  1. Viva sempre no voo da ave, nas notas da canção, na força do amor e da vida,,,e nos versos da mais pura poesia...belíssimo seu blog,,,obrigado pelo carinho da visita ao Livro...volte sempre...beijos de bom final de semana

    ResponderEliminar
  2. Incrível, Rita! Sensível demais...
    Bjs,

    ResponderEliminar
  3. Quando deixar de voar quero também continuar viva naqueles que ensinei a voar e naqueles que me acompanharam no meu voo. A propósito deste teu lindo poema e da interpretação que lhe fiz ( não sei se foi a correcta...nunca sabemos...ela é sempre diferente, como diferentes são os olhos que oleem) vou deixar aqui umas frase de um livro que eu li e recomendo: o Vendedor de sonhos de Augusto Cury. Esse vendedor de sonhos o, Mestre, num velório disse:

    "estão aqui tristes com a sua ausência, mergulhados num sentimento de vácuo existencial, porque o estão deixando morrer no único lugar onde ele tem de continuar vivo, DENTRO DE VOCÊS.
    ....O Mestre dos Mestres quis mostrar que o velório pode ser um lugar de lágrimas, mas deve ser acima de tudo um ambiente saturado de elogios e recordações solenes."
    " Por favor, contem-me os feitos desse homem! Declarem o significado dele na vida de vocês!"

    Nós não morreremos se tivermos deixado algum significado na vida daqueles que connosco conviveram; continuaremos vivos nas acções que fizemos, nos exemplos que deixamos. Se nós tivermos capacidade de ver a beleza das aves teremos também a capacidade de dar significado à nossa vida e à dos outros e assim voaremos pela ultima vez com a certeza de que alguém nos reconhecerá no voo de uma outra ave, mesmo que seja a mais pequenina. Adorei, Rita. Muito obrigada pela partilha e tenha um bom fim de semana
    Um beijinho
    Emília

    ResponderEliminar
  4. O vento como tempo da tua pessoa abre as curtinas desse infinito espaço. Cada asa a bater é uma aba para eternidade.

    ResponderEliminar
  5. O sonho é um voo constante.
    Podemos e devemos sentir-nos livres e soltos para voarem cada madrugada.
    A esperança será a mossa alma em todos os voos.

    ResponderEliminar
  6. somos, na verdade, projeções de tudo aquilo que fazemos nosso ou deixamos que nos faça seu.
    beijinho, rita!

    ResponderEliminar
  7. Você comparou o bater das asas de uma borboleta com uma dança. Muito bom. Eu fiquei imaginando um leque.

    ResponderEliminar
  8. Prabéns pelo talento poético que as tuas palavras revelam, neste e noutros poemas que li.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  9. quando deixar de voar que o céu e o mar estejam azuis...

    um beij

    ResponderEliminar
  10. Quando deixar de voar, ainda terá vida, porque esta não se vai com as asas perdidas.

    Obrigada pelo afetuoso comentário no meu canto.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  11. Rita

    Sonhos e voos fazem parte do nosso imaginário e são o catalisador da nossa força de Viver.
    Um Poema de muito talento e valia.
    Lindas as palavras e os sentido.

    Beijos

    SOL
    http://acordarsonhando.blogspot.com/

    ResponderEliminar