Google+ Followers

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Morte

Foto de https://www.facebook.com/JCarvalhoPhotography/?fref=ts



Um dia a morte chega,

silenciosa e calma como a noite

Celebrando a beleza da vida,

Aquela que devias viver


Deixaste o amor escondido

na futilidade da posse

Deixaste a vida perdida

nas sombras do medo


Deixaste a primavera partir

Sem que nela colhesses as flores.



7 comentários:

  1. Olá Rita.
    Poema realista o seu, com versos como estes, que peço licença para transcrevê-los:

    Um dia a morte chega,
    silenciosa e calma como a noite


    Um belo poema. Parabéns.
    Abraços.
    Pedro


    ResponderEliminar
  2. Estamos sempre a desnascer
    mas assim não

    Bj

    ResponderEliminar
  3. O tanto que não aproveitamos da vida...
    Tão belo, o poema!
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  4. É preciso viver a vida antes que a morte nos leve...
    Excelente poema, gostei muito.
    Boa semana, Rita.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  5. A morte chega sem ser esperada, por isso é tão importante aproveitar ao máximo os bons momentos que a vida nos vai oferecendo.
    Um poema nostálgico, saudoso e tão pleno de carinho.
    Linda fotografia
    Bjs
    Maria

    ResponderEliminar
  6. Pensamos na morte quando vemos alguém partir, muitas vezes cedo demais e ela nos assusta, faz-nos refletir no sentido que temos dado à nossa vida; prometemos mudar de atitudes, parar esta correria desenfreada, começar a valorizar os amores, os afetos, os abraços, mas...depressa esquecemos que ela chegará e as futilidades tomam de novo conta dos nossos dias; as estações sucedem-se umas às outras no seu ritmo normal, Inverno com neve, outono com frutos e a linda Primavera com com as suas flores, o seu verde, os pássaros chilreando e nós ..correndo sempre , cada vez com mais pressa não vimos, nem a neve, nem os frutos e muito menos as flores e para trás ficaram de novo todos os amores. A morte assusta, a morte vem e, apesar do medo que nos provoca nós corremospara ver se a apanhámos. Estranho, muito estranho! Estranho o ser humano, mas belo e real o teu poema. Obrigada Rita e boa noite. Um beijinho
    Emikia

    ResponderEliminar
  7. Gostaria de partilhar contigo a postagem que publiquei ontem, dia 14/02/17, DIA DE ANIVERSÁRIO do meu blog A CASA DA MARIQUINHAS/
    Desde já o meu “Bem hajas!”
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    PS – Desculpa o “copy & paste”.
    Voltarei para ler e comentar.

    ResponderEliminar