Google+ Followers

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Destino






Era só agora, e tudo acontecia agora, sem amanhã, sem destino profetizado pelas bruxas. Eram felizes assim, só conhecendo o hoje. Crianças de pés descalços e sol no olhar, sem grades nem medos, com a inocente coragem do amor ainda virgem.
Riam como se não houvesse destino, dançavam nas chuvas mornas e beijavam nas noites mais belas do mundo, sem dor e sem saudade.
Eram crianças sem destino, de pés descalços e sol no olhar.

8 comentários:

  1. E eram com certeza crianças muito felizes, crianças que não carregavam sobre os pequenos ombros a ansiedade dos pais; hoje os meninos têm uma tristeza no olhar, são crianças pequeninas cujos pais querem que sejam as melhores e tenham tudo aquilo o que o dinheiro possa comprar. As " grades " estão nas janelas e dentro montes de brinquedos a um canto da sala esperam ansiosos os seus donos que estão no Inglês , no ballet, no judo, no futebol, preparando-se para um futuro que os pais querem que seja brilhante Crianças nossas às quais tiram o direito de " serem meninos" e que não têm tempo para pensarem no " hoje", um hoje feliz, de brincadeira na rua, com os amiguinhos; com os pais têm que pensar no futuro, num futuro que não sabem se terão . Muito bom, Rita, como sempre. É bom ver-te de volta. Beijinhos
    Emikia

    ResponderEliminar
  2. Olá Rita.
    Parabéns pelo belo texto, quase um poema.
    Abraços.
    Pedro.

    ResponderEliminar
  3. Que bela porta para o Oceano que ilustra as tuas palavras.

    abraço Rita

    ResponderEliminar
  4. Filhos dos homens que nunca foram meninos
    Bj

    ResponderEliminar
  5. Bom ser criança e viver um dia por vez, sem as preocupações que no mundo adulto encontramos ou inventamos. Linda imagem! Gostaria de ver o que tem do lado de fora rsrsrs

    ResponderEliminar
  6. o destino pode mudar, se um pequeno pé descalço alterar o passo, a pegada,

    na direção do sol no olhar


    a suprema inocência


    um abraço, Rita

    ResponderEliminar
  7. Olá, querida Rita!

    Para além das tuas fabulosas palavras, a fotografia despertou-me, abriu-me o olhar. Que linda! Gosto de portas e janelas abertas e de brincadeiras de crianças, assim, só agora, pke depois, já não vale.

    Beijinhos e bom domingo.

    ResponderEliminar
  8. Só a inocência deixa que o sol nos brilhe no olhar...
    Um texto muito belo, Rita.
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar