Google+ Followers

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Carnaval



Sambavam, genuinamente descalços, embrenhados na melancolia dos tambores ao ritmo orgásmico de uma dança despida de pudores. Mergulhavam no esquecimento do que eram, bebiam do sonho um dia castrado, e dançavam, uma dança quase agonizante, num misto de prazer e dor, de quem ama até ao vazio da morte.

6 comentários:

  1. Cavaco lá estará a promover o seu calhamaço

    ResponderEliminar
  2. Há amores loucos, dentro da loucura do amor...

    abraço Rita

    ResponderEliminar
  3. Olá, querida Rita!

    Já li o teu fabuloso texto, duas vezes, e "julgo" que falas de amor, de amor em época carnavalesca, ou seja, é amar até perder a noção do que é amar, portanto, o "pessoal, passa-se". Talvez isso aconteça mais no Brasil, creio, mas voltando às tuas geniais palavras, juro-te que não encontrei nelas nada alusivo ao lançamento do livro de Cavaco Silva.
    Estarei eu a ficar distraída ou senil? Pois, entramos nos entas e depois "não" dizemos coisa com coisa. Bem, tenho de começar a pensar em procurar um lar. Lá terá de ser, ah, mas até que os meus olhos alcancem, saberei olhar em todas as direções e até que me doa a voz, direi que sou povo e canto esperança.

    Beijinhos e bom domingo!

    ResponderEliminar
  4. Amar até ao vazio da morte. Magnífico, Rita! Um texto cheio de significado e beleza.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  5. E, embora não dê importância ao Carnaval, entendo que o povo saia às ruas, cante e dance até que o cansaço os derrube; há muitos problemas na vida, Portugal anda sombrio e há que deitar para fora tanta tristeza e esquecer por algumas horas os sonhos destruidos. Só é pena que haja excessos e muitas vezes se chore muito depois de tanta festa. Como sempre um texto muito bem escrito, com uma mensagem que nos diz que é preciso cantar para abafar as dores da alma; se foi esse o teu intento, não sei, Rita, mas foi o que senti quando o li, talvez por achar que não nos devemos " abater" pelos desaires da vida ; dou valor às pessoas que têm essa capacidade, a de cantar e dancar, mesmo com a alma sangrando. Amiga, gostaria que fosses ao Começar de Novo, pois ele preparou " uma festinha" para agradecer aos amigos tudo o que por ele têm feito e tu, que o conheces há tanto tempo não podes faltar. Entretanto, deixo o meu muito obrigada e os parabéns pelo texto que connosco aqui partilhas. Um abraço de grande amizade.
    Emilia

    ResponderEliminar
  6. Três dias para esquecer a tristeza
    abraço

    ResponderEliminar