Google+ Followers

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

CONFISSÃO





 

 



Doem-me os joelhos neste altar de pedra
Onde deixo de braços abertos e frios
Uma existência turvada pela neblina da incerteza
Da existência de um Deus maior que o remorso

Confesso ser filha de um deus incerto
Neste altar de pedra e dor embutida
Sinto a culpa da consciência escrava
Num existir de remorso reconhecido

Prostrada na pedra fria deste culto
Confesso um místico deleite feito de aventura
E entrego aqui num acto de contrição
Pecados feitos na castidade do prazer
 
Mas, doem-me os joelhos neste altar de pedra...

16 comentários:

  1. Forte expressão de sentimentos diante da vida...beijos de bom dia pra ti amiga.

    ResponderEliminar
  2. Nada como uma poesia bem feita. Um toque poético que sensibiliza, e nos faz identificar. Lindo!

    Beijo.

    ResponderEliminar
  3. Forte e intenso!

    Adorei o vídeo do piano, impecável...

    Bjos

    ResponderEliminar
  4. Um final de semana repleto de carinho, paz e muita poesia pra ti minha amiga...beijos e beijos.

    ResponderEliminar
  5. pecados feitos na castidade do prazer, não devem ter remorsos.

    poema excelente.

    bom fim de semana!

    um beij

    ResponderEliminar
  6. Os altares são locais de contacto com algo maior que nós... Para nos reconciliarmos com Deus e nós mesmos.... e avançar, sabendo que estamos melhor agora.. :)
    Beijos

    ResponderEliminar
  7. Que o amor seja nosso único vício, multiplicado pelo número infinito,
    tenha o total igual ao das estrelas no céu ou de gotas de água no mar,
    e seja dividido em nosso santuário de paz.
    *Everson Russo*Meu Filho*
    O amor realmente é a unica força capaz de mover o mundo
    nos dias de hoje pouco se fala de amor .
    Tudo que mais vemos é guerra pelo poder estamos
    vivendo um mundo violento muito longe da paz que tanto almejamos.
    Um lindo e abençoado final de semana.
    Beijos de paz e luz..
    Evanir...

    ResponderEliminar
  8. A nossa vida transporta pecados de pedra embutida.
    Difícil separar pecados, conceitos e doutrinas que nos ferem os joelhos perante um Deus de amor, de bem e perdão.

    Gostei muito do poema e revejo-me bastante nele.

    ResponderEliminar
  9. deus e o remorso: o homem e a sua transcendência, em altares frios, húmidos, quase desumanos, porque de pedra. de que matéria são feitos, afinal, os corações?...

    beijinho, rita!

    ResponderEliminar
  10. Achei uma construção muito bonita, mas não gosto muito quando a moral cristã parece vencer.

    ResponderEliminar
  11. Um belo sábado pra ti minha amiga, cheio de carinho e muita poesia...beijos e beijos.

    ResponderEliminar
  12. "Um místico deleite feito de aventura" será pecado...?
    Quem não peca é o teu poema, não peca pela qualidade poética, que é muita.
    Rita, querida amiga, tem um bom domingo.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  13. Gostei do que vi e li, um espaço onde se procura harmonizar as razões da razão e do coração.

    Bj

    ResponderEliminar
  14. Rita minha amiga Querida.
    Esta tudo bem contigo ??
    Espero que sim ..
    Venho te deixar carinhos e beijos para você.
    Uma linda noite beijos .
    Evanir.

    ResponderEliminar
  15. O pecado! Quem o inventou? Quem não o praticou? Quem nunca os confessou com os joelhos no chão de pedra dura e fria?

    ResponderEliminar
  16. E até que ponto, é mesmo pecado? Não será a nossa consciência habituada a dogmas irreais?

    Belíssimo poema.

    Beijinhos

    ResponderEliminar