Google+ Followers

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

A Neblina


(Foto Internet)

Desci para a beira do lago onde se encontrava uma canoa. Parei um pouco, olhei para o céu e fiz aquilo que achei que seria o mais próximo de rezar. Agradeci a Deus e ao Universo pela minha vida, e pedi-lhes protecção e orientação na viagem que estava prestes a fazer.
Sentei-me na canoa e remando lentamente fui rasgando as águas e deslizando em direcção à neblina.
O tempo foi passando e com ele a minha parte racional começava a duvidar da minha opção. Mas voltar a atrás já era tarde, até porque sentia uma estranha e intensa atracção. Estava prestes a entrar no banco de nevoeiro daquele lago que tanto me fascinou.
Apesar do frio e da ansiedade, alimentava uma expectativa optimista, como se fosse renascer algures. E foi nutrindo esse sentimento que me deixei levar através do nevoeiro em direcção a nenhures. 
Não sei quanto tempo passei dentro da bruma, até perceber que estava a chegar a algum lado. Entrava num mundo em que tudo parecia diferente. A luz era mais brilhante, o ar mais leve, a natureza mais fresca, a paz era quase palpável.
Ao desembarcar na praia tirei os sapatos e senti a areia macia e morna.
À minha frente estendido na areia, encontrava-se um vestido branco bordado a prateado. Colei-o ao corpo e deduzi que me serviria. Vesti-o e logo me senti diferente. Foi então que percebi, que tinha de vestir tudo de novo na minha vida: o meu corpo, as minhas emoções, os meus sentimentos, as minhas memórias…Senti que tinha de deixar tudo o que trazia. Tinha de deixar o velho se quisesse receber o novo.
E foi assim, que ao perder o medo para atravessar a neblina, vesti o novo e finalmente vivi…

Sem comentários:

Enviar um comentário