Google+ Followers

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Silêncio



Porque o silêncio me envolve
Em palavras que não escuto
Em sons que me escondem de mim
Na nudez da verdade

Porque o silêncio me despe
Nas fronteiras do ruído da mente
Me estrangula no sufoco da voz
Me desnuda de mim

Porque eu sou
A nudez do silêncio


7 comentários:

  1. O que vai dentro de nós, o que nos move, o puzzle sempre por completar...
    Envolvente, Rita!

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  2. Há silêncios assim
    nos espelhos onde nos despimos

    Bks

    ResponderEliminar
  3. Apetece-me dizer-te: «Não és nada.»

    abraço Rita

    ResponderEliminar
  4. À procura da lucidez
    nos mastros mais altos

    ResponderEliminar
  5. O silêncio. O que nos desnuda e o que nos torna mais lúcidos...
    Que belo poema, Rita. Que excelente fotografia.
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  6. Nestes ruidos constantes, perturbadores, nesta correria atrás de , não sabemos o quê, temos de conseguir momentos de silêncio; deixemos que ele nos " envolva" para que possamos ouvir os " sons " escondidos" bem no fundo do nosso eu. ; só assim poderemos encontrar algumas respostas às perguntas que nos fazemos tantas vezes. Só o silêncio nos poderá ajudar a entender o que somos, para onde vamos e, especialmente o que viemos cá fazer. Como sempre , Rita,um poema que ecoou longe, um poema que se fez ouvir. Beijinhos,amiga e fica bem.
    Emilia

    ResponderEliminar
  7. Olá, querida Rita!

    O teu magnífico poema, e se é k eu o entendi, descreve factos antípodas: o silêncio envolve-te, mas tb te despe, portanto, pensando matematicamente, + por - dá + ou -, conforme o valor absoluto do número, mas como o teu eu-lírico, "tu" és o silêncio nu, como afirmas, então, podes ser e viver num ambiente mto alegre, mto falador, ou precisamente o contrário. O importante é k te sintas bem (desculpa, pke a minha intuição está a dizer-me k não. Intrometida)!

    Beijos e boa semana.

    ResponderEliminar