Google+ Followers

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

Na minha aldeia

Foto de https://www.facebook.com/JCarvalhoPhotography/?fref=ts (Norte da Madeira)


Quando o ocaso descia na aldeia e a montanha se iluminava de mornos raios laranja, chamando os coelhos para fora das tocas, voltavam para casa os filhos da terra. Era o sol dos coelhos à hora das ave-marias cantadas na igreja.

As mulheres nas soleiras das portas, aqueciam seus corpos na hora do penteado das feiticeiras, esperando seus homens que rasgando caminho corriam para seus colos.

Caía o mais severo silêncio enquanto esmoreciam os últimos raios de sol e cada instante era festejado na eternidade do orgasmo.


Quando o frio respondia da montanha e os coelhos recolhiam às tocas, deixavam estes homens as suas mulheres, prenhas de tristeza e saudade e tudo se transformava em tempo até o próximo sol.

17 comentários:

  1. Olá, Rita!

    Que prosa tão agradável, acessível, real e ternurenta, a tua!
    É assim o cotidiano dos que amam. O pôr do sol traz, sempre, coisas boas e põe em prática, concretiza desejos, imperando o sagrado e orgástico silêncio.
    Depois, como sempre, num momento, numa eternidade, partem os homens. As vontades vão-se criando até ao crepúsculo do próximo acontecer.

    Boa sexta e melhor fim de semana. Em Lisboa chove. Eu espero o sol.

    Beijos.

    ResponderEliminar
  2. Um texto bonito, aparentemente despretensioso, mas, na minha opinião, com grande profundidade. Os opostos em evidência.

    Com um "obrigada" pela presença constante e pelas palavras de carinho, desejo que o Novo Ano lhe traga dias muito felizes, junto de toda a família.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderEliminar
  3. Uma aldeia tão humana...

    abraço Rita

    ResponderEliminar
  4. Gostei do texto
    mas aquela forma de contar
    simboliza a tristeza

    que vive do sol
    e entra nos corações apertados
    quando esse sol desaparece!

    Entendo o que pretende dizer
    e mostrar!

    Maria Luísa Adães

    ResponderEliminar
  5. o eterno retorno,

    a sua aldeia de sol


    um abraço, Rita

    ResponderEliminar
  6. O entardecer, tão lindo mas que trás por vezes uma certa nostalgia.
    Excelente texto
    Beijinhos
    Maria

    ResponderEliminar
  7. ~~~
    ~ Os difíceis dias de inverno no campo,

    muito bem enquadrados e definidos, no seu cerne.

    Apesar do tempo turbulento, dias sorridentes e agradáveis.

    ~~~ Beijinho. ~~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
  8. As memórias da aldeia com a aparente calma a fervilhar na hora do crepúsculo.
    Um excelente texto.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  9. Belo texto, Rita! Poesia em prosa, que nos transmite a nostalgia e o encanto do crepúsculo nas aldeias! Boa semana.

    ResponderEliminar
  10. memórias e o ciclo dos tempos.
    excelente!
    beijo
    :)

    ResponderEliminar
  11. Um belo relato das memórias da aldeia.
    Numa excelente prosa, que dá imenso gosto ler.
    Rita, bom resto de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  12. Um retrato muito poético de palavras.

    beijinho amigo

    ResponderEliminar
  13. :) tão bonito, um beijinho e um bom fim-de-semana!

    ResponderEliminar
  14. Boa tarde, impossível esquecer a beleza do por do sol da sua aldeia, simplesmente é maravilhoso.
    AG

    ResponderEliminar
  15. Hoje vim agradecer a você por todas as vezes que carinhosamente esteve no meu blog e pelos comentários delicados que me deixou. Infelizmente nem sempre eu tenho tempo para te agradecer e te visitar, porém jamais me esqueço de você... Muito obrigada...

    Beijos
    Ani

    HTTP://cristalssp.blogspot.com.br


    O blog está com problemas para visualizar os seguidores, se você for um deles por favor siga novamente.

    ResponderEliminar
  16. Na minha aldeia, em temos idos também era assim o cotidiano das pessoas. A aldeia continua a mesma no nome, na localização, mas no mais, tudo mudou. Poderei dizer que está melhor, a minha aldeia; becos se transformaram em caminhos e elas estradas, casebres em bonitas casas, paredes de cascalho em resistentes muros de cimento. Vou lá e volto com saudade e nostalgia; procuro as pessoas e não as encontro; nos campos foram substituídas pelas máquinas e algumas já partiram. Está mais bonita, a minha aldeia, mas falta-lhe o encanto das mulheres sentadas nas soleiras e das crianças brincando nas eiras. Não se vê crianças na minha aldeia.....a escola as ocupa e a brincadeira só no recreio. Rita, muito obrigada por este belo momento. Um beijinho e votos de que estejas bem.
    Emilia

    ResponderEliminar