Google+ Followers

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Ausência







Acreditei na saudade dorida como se fosse minha
E um orvalho de lágrimas encharca essa ausência
Quando a tua presença esvoaça em torno do sol
E a brisa morna arrasta o teu cheiro

Esfumando o teu tempo perdi o teu rasto
Para além desse mar  feito de mar.


8 comentários:

  1. achado o rasto, a ausência perde-se

    e é mar mar


    um abraço, Rita

    ResponderEliminar
  2. um mar de saudades num poema...

    abraço Rita

    ResponderEliminar
  3. Minha querida

    Hoje passando para dizer que estou a ser entrevistada no RECANTO DOS AUTORES, será um prazer a tua visita. Deixo o Link:

    http://recantodosautores.blogspot.pt/

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  4. As ausências deixam saudade e algumas bem doídas. Temos sempre a oportunidade de tornar presentes as ausências, parando e tirando-as da prateleira da memória; aí sentimos tudo muito presente, mas nem sempre isso nos consola. Há duas semanas estive no teu Funchal; adorei a Madeira, gostei imenso da tua cidade. Voltei com muita saudade do que conheci e principalmente do povo madeirense que é muito acolhedor e simpático. Resolvi de um dia para o outro; tive pena de não ter sido com mais antecedência e talvez assim tivessemos podido marcar um encontro. Fica para a próxima. Beijinhos e parabéns por estas " Ausências ".
    Emília

    ResponderEliminar
  5. A ausência cria sempre novos espaços, novas estradas...

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  6. Perder o rasto é ausência a valer...
    Belo poema, gostei.
    Rita, tem um bom resto de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  7. Acreditei na saudade dorida
    -------------
    A saudade dói até que haja o encontro (quando é possível haver reencontro).
    ---
    Felicidades
    Manuel

    ResponderEliminar