Google+ Followers

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Resta-me pedir ao mar







Se deixei a vida vestir-me de melancolia,
Se deixei que se extinguissem as flores e me perdesse
num jardim abstracto de sombras vadias.
 Se deixei ir o destino, um dia, junto ao promontório,
 
Resta -me pedir ao mar
O sorriso da criança que riu, foragida na magia,
E sentir o poema que abraça a incerteza
 e soletra o inexprimível,
 lançando-me na solidão pacífica que o mundo repudia
 
Resta-me pedir ao mar o abraço de Posídon
a memória da criança
 
E, se um dia o mar me ouvir
Resta-me ser feliz

23 comentários:

  1. O mar
    e suas
    virtudes;

    De ir e vir,
    Quando bem quer.

    ResponderEliminar
  2. Lindo!!
    Bom fim de semana!
    Beijinhos
    Sónia

    ResponderEliminar
  3. E o mar vai ouvir-te... sempre nos ouve, o mar! Também sempre nos responde...dependendo do pedido, a resposta será brava...ameaçadora...perigosa até; mas se o pedido for consciente...justo, o mar com certeza nos responderá...calmo...sereno, tendo como companheiro o sol a brilhar nas suas águas azuis banhando com suavidade as areias. É que não podemos ser muito exigentes com a vida...temos de ter paciência e muita esperança. Será com certeza isso o que o teu mar te reponderá. Resposta tenho a certeza que ele te dará. Se soubermos escutar a natureza a resposta virá! Muito, muito bonito, Rita! Obrigada pelo belo momento. Um bom fim de semana, amiga! Beijinhos
    Emília

    ResponderEliminar
  4. Acho que o mar não deixará de te ouvir!

    Beijos, bom fim de semana

    ResponderEliminar
  5. esse mar azul dá-te quase tudo...

    bjs Rita

    ResponderEliminar
  6. E porque deixou a vida vestir-lhe o fato da melancolia?
    E porque deixou as flores se perderem no seu jardim abstrato de sombras que não falam
    E rodopiam à procura do mundo que abandonaram...

    E se o mar a ouvir ...
    talvez responda a si e a mim, que acabei de fazer tantas perguntas voláteis como o fumo
    e não as devia ter feito...
    Apenas devia aceitar o seu belo poema e aceitei e gostei...o resto veio depois...

    Maria Luísa adães

    ResponderEliminar
  7. O mar às vezes ouve-nos...
    Magnífico poema, gostei imenso, querida amiga.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  8. É admirável quanta prosa e poesia belas encontramos na blogosfera...prazer em conhecer seu blog...!

    Abraços

    Bíndi & Ghost

    http://nossocantinho21.blogspot.com
    http://esquinadosversos.blogspot.com

    ResponderEliminar
  9. Há sempre uma nova estrela que acende a luz da esperança, do regresso ao nosso tempo de meninos cheios de sonho e de sorrisos.
    Penso que devemos continuar a fazer essa ligação do passado ao presente numa perspectiva de crescimento e de aceitação do que não é perfeito nem nos faz felizes na totalidade.

    ResponderEliminar
  10. Quando se chega ao pedido, já foi a melancolia analisada , dando lugar ao desejo de seu afastamento. Basta o desejo, para que a criança ressuscite. Muito belo! Bjs.

    ResponderEliminar
  11. Belo esse jogar de sentimentos nos mistérios profundos do mar...beijos amiga e uma bela noite pra ti.

    ResponderEliminar
  12. Minha querida

    O mar é um grande confidente e por vezes ele ouve os nossos lamentos e leva as nossas mágoas.
    Que a criança que fomos nunca adormeça em nós.
    Belo ler-te é um prazer imenso.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  13. E o mar, sempre gentil, está comigo agora, neste dia mundial da Gentileza para te deixar um beijinho muito especial e agradece-te por seres uma pessoa muito, muito GENTIL. Obrigada, amiga e fica bem!
    Emília

    ResponderEliminar
  14. El mar te atrae, te atrapa y una vez que lo conoces, no puedes pasar sin el.

    Preciosa imagen del mar con hermosas palabras.

    Un saludo.

    http://ventanadefoto.blogspot.com.es/

    ResponderEliminar
  15. resta

    é ter ainda e sempre e o mar ouve decerto


    um abraço, Rita

    ResponderEliminar
  16. E já é tanto, ser feliz!
    Belo poema.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  17. e a felicidade está nos momentos que idealizamos assim.

    um poema muito muito belo.

    um beijo

    ResponderEliminar
  18. El mar tiene magia y poesía, excelente. Un abrazo

    ResponderEliminar
  19. O mar a mim me tranquiliza. Não sei se é por Portugal ter sido um país de
    marinheiros...
    Gostei desta sua poesia.
    Beijinhos
    Irene Alves

    ResponderEliminar
  20. AS FILHAS DE UM FALSO DEUS

    Imensa funda e impenetrável noite
    Onde as trevas soltam gigantes feitos de sombra escura
    Caminheiro, caminhante, sem rumo ou vontade
    Teu coração e alma serão ungidos com água pura

    A virgindade perdida ao travo do cigarro de uma puta
    Um marinheiro tonto de arrogante atitude
    Duas maçãs podres atiradas à sarjeta
    Um sorriso estupido a cantar uma peta

    Olá deusa Grega caçadora de orgasmos mentais
    Olá gente estupidamente contente
    Há tanta estupida pessoa que me acha louco
    Algumas dizem coisas que me deixam menente

    Mas, que é isto?
    O poeta descalçou-se em frente à palavra
    Mete-me raiva mulheres agrupadas
    Não quero ser semente de perversa lavra

    Observado pelo mundo ficou ausente o meu nome
    Dispersos pedregulhos de silêncio empurraram-me o ficar
    Insondáveis são as teias da maldade
    Levanto-me todas as manhãs ausente do amar

    Na passagem, vi a memória ausente dos teus olhos
    Respiro uma estação já morta
    No êxodo das manhãs escrevo a raiva
    Há um castelo azul com o azar preso à porta

    Uma criptoméria tomba contra a fundura do tempo
    Escrevo para que não oiçam o clamor desta nua alma
    Escrevo para que ninguém se ache nestas palavras
    Escrevo para que nunca esmoreça esta minha chama

    No caminho do inverno ouvi o grito do bravio mar
    Sentei-me de olhos fechados e lembrei alguns pecados meus
    Lembrei pessoas que não mereceram o abraço
    Lembrei algumas…Filhas de Um Falso Deus…

    ResponderEliminar
  21. Rita, querida amiga, tem um bom resto de domingo e uma boa semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar