Google+ Followers

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Foge comigo para fora do mundo




Foge comigo para esse vazio,
Para o arco-íris que nos leva
 aos confins do mar.
Foge comigo para fora do mundo
Vem sentir a beleza do nada,
Vamos  viver no vazio esculpido de sol,
 onde o ar é luz e o céu flores,
e as sombras fogem da mente

 
Vamos cinzelar o vazio,
 pintar o universo, acender as estrelas

Vem sentir o amor
Só o amor

17 comentários:

  1. O amor, um caminho que vale sempre a pena...

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  2. a poesia, a fuga e o amor...

    abraço Rita

    ResponderEliminar
  3. também vou...

    continuas a escrever poemas muito bons.

    gostei também da foto.

    um beijo

    ResponderEliminar
  4. Que maravilhosa visão. Poder ir assim. Fugir. Viver nos confins do mar, nas esculturas do sol. Adorei está lindíssimo. Desculpe só vir comentar agora Rita, estive doente e como tal não consegui vir mais cedo. Beijinho. Boa semana.

    ResponderEliminar
  5. Parece-me um bom convite para se fazer e ainda melhor para se aceitar!

    Beijo

    ResponderEliminar
  6. Uma fuga diferente mas muito bela.
    O mundo seria diferente se todos pudessem fugir assim com estas cores que se pintam no vazio dos sonhos.

    ResponderEliminar
  7. Nesta ilha

    se tivéssemos um barco

    seria inútil

    ResponderEliminar
  8. o amor a tudo assiste... esse "fora do mundo" é fogo e poesia...!!

    até

    ResponderEliminar
  9. Bom fugir,
    do verbo,"simplesmente ir..."

    ResponderEliminar
  10. Olá

    Penso que há no amor
    a fuga
    e também
    o encontro
    com a vida...

    Que amar seja para ti
    o objetivo de cada instante.

    ResponderEliminar
  11. Tacteei minha sombra caída
    Os ramos de uma magnólia cedem ao vento
    Ergui num deserto um castelo de raivas
    Segui numa distância infinita ladrilhada de mágoas

    Já não posso dar-te a mão, cheguei tarde
    Entre ruinas procuro o sentido, a razão
    Já não canto aos deuses, não rezo
    Já esqueci o sabor do desprezo, não desprezo

    Tracei um círculo de solidão
    Ausente do meu nome está o chamamento
    Jazem mudas as folhas de silêncio
    Errantes brumas ao sabor do vento

    Bom fim de semana


    Doce beijo

    ResponderEliminar
  12. Bom sábado pra vc, com muito carinho
    deixo meus parabéns por mais esse post lindo...
    com esse poema tão luxuoso
    A amizade faz a gente muito alegre por
    ter amigos que gratifica nosso dia
    E ter vc na minha lista de presente
    eu fico eternamente feliz
    Abraços com carinho
    Bjuss
    Rita!!!

    ResponderEliminar
  13. Tacteei minha sombra caída
    Os ramos de uma magnólia cedem ao vento
    Ergui num deserto um castelo de raivas
    Segui numa distância infinita ladrilhada de mágoas

    Já não posso dar-te a mão, cheguei tarde
    Entre ruinas procuro o sentido, a razão
    Já não canto aos deuses, não rezo
    Já esqueci o sabor do desprezo, não desprezo

    Tracei um círculo de solidão
    Ausente do meu nome está o chamamento
    Jazem mudas as folhas de silêncio
    Errantes brumas ao sabor do vento

    Bom fim de semana


    Doce beijo

    ResponderEliminar
  14. Eu até fugia, mas tem que esperar mais um dia...
    Mas Haja o que Houver eu estou sempre aqui!
    Prometo e Juro!
    Espere por mim...

    ResponderEliminar
  15. Um bonito convite, feito através de um magnífico poema.
    Gostei muito das tuas palavras.
    Rita, querida amiga, tem um bom domingo e uma boa semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar