Google+ Followers

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

DESPRENDIMENTO






Desprendo-me da vida, largada num tempo sem tempo, onde o passado se esfumou em cenas efémeras e o futuro se tornou presente

Desprendo-me na impermanência da vida, que se fez sofrida nos últimos epílogos, E canto o último adeus a um deus que o mundo criou na metáfora.

Desprendo-me das palavras que vestem a canção na combinação do som e do silêncio, e neste desapego de emoções nuas, entoo a dança que me encaminha para o último enigma do planeta... a vida.

E a plateia sorri no fim do acto.

23 comentários:

  1. Quero crer que a encenação da vida é um espetáculo permanente e eterno. A plateia sorrirá sempre!

    Um abraço, Rita,
    da Lúcia

    ResponderEliminar
  2. entoo a dança
    -----
    Por vezes, dançamos sem dançar.
    --------
    Felicidades
    Manuel

    ResponderEliminar
  3. cenário para um monologo onde somos nós os actores.
    um palco que é a vida.
    mas se termina cm um sorriso.
    isso é muito bom.

    gostei muito.

    neij

    ResponderEliminar
  4. criado na metáfora, deus sorri

    aplaude, porque não?


    um beijo

    ResponderEliminar
  5. Tão bonitas estas palavras.

    "E a plateia sorri no fim do acto."

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Uma dança contínua em busca da luz e de um sorriso!
    Sublimes e melodiosas palavras Rita! Adorei :)
    Beijinhos e boa semana!

    ResponderEliminar
  7. e eu estou na plateia, também a aplaudir...

    Beijinhos Rita

    ResponderEliminar
  8. Querida neste Outono deixo-te o meu vento


    Queria ser
    O que queria ser?
    Queria ser vento...
    Para ser livre...
    Para te tocar
    E te abraçar

    E de mansinho
    Chegar-me a ti
    E sussurrar-te
    Como gosto de ti...

    E devagar
    Devagarinho
    Ia-te acariciando
    E tu ias notando
    Que eu estava aí...

    E o vento
    Ia crescendo
    E mesmo com força
    Gostava de o ser...
    Para que visses
    A força que tenho...

    Força do vento
    Vento tufão
    E queria...
    Poder ter-te...
    Sempre na minha mão.

    LILI LARANJO

    ResponderEliminar
  9. Sobe o pano

    não existe pano

    o tempo passa

    ResponderEliminar
  10. Um belo exercício prosaico
    com sabor a poema!

    Bjsss

    ResponderEliminar
  11. *。¨* ✫ ” ✫. ☽¨¯*。.☆¨*。¯`☆¸.✫˚¯`☆
    Ritinha querida que bonito texto eu
    gostei de ler e te elogio por esse post
    tão suave
    Abraços de bom dia
    Bjuss
    Rita!!!!

    ResponderEliminar
  12. Oi Rita,

    Quanta emoção nessas preciosas palavras....(Bravíssimo)

    Bjos

    ResponderEliminar
  13. Desprender do que se foi e seguir em frente sem medo nem olhar pra tras....beijos e uma bela noite pra ti amiga...

    ResponderEliminar
  14. Uma bela tarde pra ti minha amiga e uma excelente quinta feira...beijos poemas e flores sempre...

    ResponderEliminar
  15. Esse desprendimento é bom, muito bom, por isso a plateia sorri, não poderia deixar de sorrir.

    Beijos, um bom resto de feriado!

    ResponderEliminar
  16. Sublimes e intensas palavras, Rita!
    Aplaudo e sorrio :)

    Beijinhos
    Sónia

    ResponderEliminar
  17. A vida é mesmo um enigma...com actores diferentes a cada dia...plateias várias..emoções distintas a cada segundo; nunca sabemos o que ela nos prepara para o próximo instante; é bom que saibamos desprender-nos do que não é importante e aproveitar o essencial; agora a plateia bateu palmas, satisfeita com a encenação; no próximo acto não sabemos o que acontecerá. Belo, como sempre, Rita. Um beijinho e um bom fim de semana
    Emília

    ResponderEliminar
  18. São mudas as neblinas nesta ilha
    É de pobreza o pão que alimenta o meu sentir
    Oiço o mar com os meus próprios dedos
    Parti do desencontro dos meus derradeiros medos

    Parti e deixei no cais mil dúvidas
    Lembrei tempos que corri feliz pelas amoras
    Nesses dias bebi sofregamente a vida
    Nesses dias a minha alegria era incontida

    Um radioso fim de semana


    Doce beijo

    ResponderEliminar
  19. Será que verdadeiramente nos conseguimos DESPRENDER?
    Um beijinho
    Irene Alves

    ResponderEliminar
  20. Espero que não estejas de partida sem retorno... ainda que a vida seja mesmo um enigma.
    Mas as tuas palavras são muito bonitas.
    Beijo, querida amiga.

    ResponderEliminar
  21. E mais que a vida, a vida inteligente, que nos permite escrever e ter consciência do que nos rodeia.
    Beijinho para si!

    ResponderEliminar
  22. o desprendimento aconteceu e sorriu ao sucesso do acto...!!

    até

    ResponderEliminar