Google+ Followers

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Mãe






 
Eu podia viver nas asas dos falcões

Viver o êxtase das aves solitárias

Rumo ao inevitável caminho do céu

Onde te encontraria, mãe



Eu podia viver o sol purpura entrando na noite

E sentir o brando silêncio trazido pela brisa

No sono da morte deliciosamente misteriosa

Onde te encantaste um dia



Podia ouvir os grilos entoando a melodia

Que me cantaste num outro tempo

E pedir ao vento que te devolva

Desse secreto e constante sono


Mas, vou viver a tua morte, mãe

E conquistar a tua paz sem chorar a noite



Podia ouvir os grilos entoando a melodia

Que me cantaste num outro tempo

E pedir ao vento que te devolva

Desse secreto e constante sono


Mas, vou viver a tua morte, mãe

E conquistar a tua paz sem chorar a noite

20 comentários:

  1. Muito sereno. Mas ao mesmo tempo revela, saudades, ausência e procura.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. __Boa noite____________♥ Que seus sonhos
    _____________♥♥ Tenham o
    ____________♥♥♥♥ Brilho das
    ___________♥♥♥♥♥♥ Estrelas,
    __________♥♥♥♥♥♥♥♥ para que tudo
    ________♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥ seja sempre bonito pra vc
    Com esse belo post, Mãe palavra sublime!!!
    Abraços
    Rita!!!!

    ResponderEliminar
  3. Permitir que haja paz na ausência é belo, mas difícil e doloroso.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  4. Que essa paz seja alcançada...

    Beijo
    Sónia

    ResponderEliminar
  5. Oiee, passando por aqui e ficando tambem, adorei esse poema, parabens, visite o meu bloguinho tambem, se gostar, siga-me. Ficarei super feliz com sua presença. Bjuus

    ResponderEliminar
  6. Bela mensagem de saudades!
    Sei o quanto dói, mas o que seria do
    sentimento sem ela?
    Bjs

    ResponderEliminar
  7. Gostei muito do poema, e apesar da mãe já ter partido há 24 anos, é sempre bom lembrá-la, e isso é sinal que ela foi muito importante nas nossas vidas, está sempre no nosso coração.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Um poema extremamente sentido, que coloca à flor da pele todos os sentimentos. Fabuloso.

    ResponderEliminar
  9. As mães não são substituiveis, são peças fundamentais no centro dos filhos, sem elas funcionamos sempre menos bem, todos os poemas são tentaivas de consertar a máquina. Gostei.

    ResponderEliminar
  10. As mães não são substituiveis, são peças fundamentais no centro dos filhos, sem elas funcionamos sempre menos bem, todos os poemas são tentaivas de consertar a máquina. Gostei.

    ResponderEliminar
  11. Recordar a Mãe é um mistério que acorda em nós tantas saudades e tantos sonhos adormecidos no carinho de um beijo que nunca esquecemos.

    Muito bom este poema.

    ResponderEliminar
  12. O teu poema tocou-me, também pela beleza e pelo sentimento contido nas tuas palavras.
    Rita, minha querida amiga, desejo-te um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  13. ADOREI A VISITA OBRIGADA
    ESTOU SEM COMPUTADOR

    MAS... VOU UMA SEMANA ATÉ MARBELHA--TORREMOLINOS.
    DEPOIS QUANDO VIER O PC DEVE ESTAR COMPLETO E SEM VIRÚS-

    BEIJOS E POESIA



    Dentro do meu peito, pequenino
    Não há só veias, artérias ou sangue.
    Dentro do meu peito, abrigado
    Existe um coração que vai batendo...


    Batendo, contra tudo e contra todos
    Batendo e amando tudo, ao redor
    Mas batendo e sofrendo a toda a hora
    Pois ama e suspira por amor...


    E será que vale a pena ele suspirar?
    Será que vale tanta pena e tanta dor...
    Porque haverá o coração de ser sempre
    A peça que dentro de nós mais sente a dor?


    Porque haverá o Amor que é tão belo...
    De ser o que de pior no mundo existe?
    Porque será que com tanta dor
    Eternos amantes serão sempre o coração e o amor...


    LILI LARANJO


    LINDO 0 TEU POEMA

    ResponderEliminar
  14. Oi Rita!
    Lindo poema, recordação que faz o nosso presente. Sinto-o.
    Obrigada
    Até breve
    Herminia

    ResponderEliminar
  15. um poema a homenagear a mãe.
    muito sensível e bonito.
    uma boa semana.
    beij

    ResponderEliminar
  16. Belo o seu poema!

    * Quanto aos sábio de A Febre do Ouro, claro que sim!
    è por isso que há sábios...

    ResponderEliminar
  17. Um lindo poema. Um afeto eterno.
    Gde abraço, em divina amizade.
    Sonia Guzzi

    ResponderEliminar
  18. Eu percebo bem este poema, a minha mãe também está no céu.
    Mas era melhor que não tivesse que escrever tal poema.Mas
    a vida é sempre passageira e enquanto uns nascem, outros
    morrem e uma parte vai vivendo na espera do dia. Todos
    partimos e não levamos nada desta vida.
    Um grande beijinho
    Irene

    ResponderEliminar