Google+ Followers

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Vazio

https://www.facebook.com/JCarvalhoPhotography



Despida de roupa, despida de emoções
Atirada ao sabor das ondas
Rendi-me e entreguei-me ao todo e ao nada
Entrei no vazio sem passado nem futuro

Nesse momento de nudez perpetuado no agora
Sem corpo nem matéria viva de densidade
Sinto no vazio o canto das baleias
Seguindo a luz do farol da ilha

Nesse momento de nudez me entrego
Nesse vazio silencioso me pacifico
Nesse farol me reencontro



10 comentários:

  1. não há lugares onde apenas nos perdemos ou invariavelmente nos encontramos. porque nós somos todos os lugares com os seus desassossegos e aclaramentos, "nudez" e "reencontro".

    beijinho, querida rita!

    ResponderEliminar
  2. Boa tarde, Rita. Um belo poema de reencontro de nós mesmos numa construção de alma muito interessante.
    Um beijo na alma, e fique na paz!

    OBS: Amanhã, dia 28 de Abril, o meu blog faz 01 ano de idade, e você é a minha convidada também!
    Postarei amanhã especialmente em virtude dessa data.

    ResponderEliminar
  3. A nudez mais bonita que temos e mais profunda é a nudez da alma em versos...beijos de bom sábado pra ti amiga.

    ResponderEliminar
  4. Que a paz silenciosa nos renove e nos prepare para uma nova etapa,despida de qualquer angustia.Beijo carinhoso do agora leitor.:-BYJOTAN.

    ResponderEliminar
  5. O reencontro é mesmo um farol...
    Magnífico poema, gostei muito.
    Beijo, querida amiga Rita.

    ResponderEliminar
  6. Um reencontro difícil. Desnudar-se e entrar no intimo pessoal nem sempre se consegue porque arranjamos sempre novas roupagens e a ilusão não permite ver com clareza e lucidez.

    ResponderEliminar
  7. Nua e inteira, como quando nascemos.

    muito boa a poesia por aqui!

    beij

    ResponderEliminar
  8. E é esse farol, que tudo desnuda, que propicia o encontro com nosso interior, muitas vezes, nas sombras.
    Bjs.

    ResponderEliminar