Google+ Followers

sexta-feira, 15 de julho de 2016

A Canção



Cantava a canção de um qualquer país
E de todos os países
Mesmo com palavras nem sempre audíveis
Cantava
A canção de qualquer mundo perdido

Trazia a melodia fresca
Vinda de uma qualquer fonte angelical
Na canção presente em todas as almas
E tão sempre desconhecida

Ressoava sonolenta nas dores humanas

Cantava
Sugerindo deuses nos homens
Esquecido da maldosa ignorância
Abafando o ruído da dor


Cantava as lágrimas da alma 


9 comentários:

  1. Cantava uma balada triste...

    abraço Rita

    ResponderEliminar
  2. A canção da dor universal...

    Dias otimamente aproveitados.
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
  3. por vezes o cantar liberta, e como dizes as lágrimas da alma.
    algum fado talvez...
    muito belo o poema e a foto também.
    bom fim de semana.
    beijinho
    :)

    ResponderEliminar
  4. Cantava como quem chora por este mundo triste...
    Um beijo, Rita.

    ResponderEliminar
  5. Uma canção para perdurar, qualquer alma se sente insatisfeita com o que vislumbra...

    Um beijinho, Rita :)

    ResponderEliminar
  6. Uma canção de dor e mágoa.
    Lindo poema
    Bjs
    Maria

    ResponderEliminar
  7. A cantar metia nos púcaros

    uma feira de barro

    Bj

    ResponderEliminar
  8. Uma dura realidade e verdade, que tu tão bem escreveste/cantaste, querida Rita!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar