Google+ Followers

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Fronteiras


Veneza


Porque nem sempre consigo tirar as fronteiras das palavras, quando sinto aquela vontade vinda de um submundo desconhecido, de traduzir em palavras o que nem sempre é traduzível.  

Esse sentir para além dos horizontes da inquietação, que nasce e não raras vezes morre no mesmo momento, por falta de coragem.

Esse sentir a epopeia da vida que me faz escrever aquela poesia, que penso ser poesia porque está para além da lógica das coisas, e depois me faz calar com medo da incompreensão dos homens.

Na verdade, quero tirar as fronteiras das palavras.


17 comentários:

  1. Graças a Deus que as nossas palavras não têm fronteiras.Pelo menos assim o entendo.
    Qualquer pessoa pode ler as minhas palavras.
    Penso que as fronteiras das palavras estão no seu significado

    ResponderEliminar
  2. Boa tarde, julgo que nós próprios não temos fronteiras nas palavras, a fronteira é nos imposta, assim, aceitamos a imposição ou não.
    AG

    ResponderEliminar
  3. Palavras sem fronteiras. Palavras com a ousadia dos poetas. Palavras inquietas de coragem.
    Gostei muito do texto.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  4. que assim seja, que se rompa as fronteiras e o preconceito (sempre)

    bom fim de semana.

    beijo

    :)

    ResponderEliminar
  5. Belo, Rita! faz-me lembrar que escrevi há alguns anos: "O verso mais belo do poeta é aquele que ele jamais escreveu, temendo denudar a sua alma diante do mundo". Muito belo, boa semana.

    ResponderEliminar
  6. ~~~
    ~ Tire todas as fronteiras e acredite, com segurança, em si!
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ~ Haverá sempre pessoas com sensibilidade para entender a sua criatividade...
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ~~~ Abraço amigo. ~~~
    ~ ~ ~ ~ ~

    ResponderEliminar
  7. Veneza um sítio que eu gostaria de visitar. Gostei do texto.
    Desejando que a amiga se encontre bem.
    Um beijinho
    Irene Alves

    ResponderEliminar
  8. Olá, querida Rita!

    Como estás? Aqui, está tudo satisfatório, à exceção do tempo, bastante instável, acho eu.

    Foste a Veneza? Pois, tu k és da Madeira, portanto, vives rodeada de água e de uma natureza fabulosa, e portanto escolheste uma cidade k não conheço, mas que é histórica, em mtos aspetos.

    Os teus textos, tb são históricos e ficarão para a posteridade, podes ter a certeza. Esse teu "desassossego" verbal transmite-nos beleza e mta paz, já pra não falar do teu talento natural.

    As palavras, e então as k tu escreves não têm nem precisam de fronteiras, pke tu és uma lady de fino trato e sabes mto bem o k escreves. Agradas e de k maneira, mas não te insinuas. És uma virtuosa, digo-te eu.

    Bom domingo e melhor semana.

    Beijos.

    PS: tenho novo poema no blogue. Qdo quiseres, já estou à tua espera. Obrigada!

    ResponderEliminar
  9. Não há que ter medo de derrubar fronteiras ! Bonito Texto !

    ResponderEliminar
  10. Rita,
    O desejo dum mergulho por inteiro, o anseio da percepção das coisas...
    (Não é um caminho fácil, não...)


    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  11. Tenho muito dificuldade em colocar fronteiras nas palavras e os dissabores são muitos algumas vezes, porque o politicamente correcto está muito presente na nossa sociedade As palavras devem ser como o pensamento, devem voar leves, livres e soltas, embora com o devido cuidado. A palavra tem um poder imenso, mas também fere, magoa, mata a alma de quem a ouve.. Depois de lançada é como flecha, não volta para trás. Mas a tua palavra, amiga, é subtil, é poética, aquieta os corações, por isso, não ponhas fronteiras na tua palavra, Rita. Ela entra na nossa alma como um balsamo. Obrigada,! Um beijinho e até sempre.
    Emília

    ResponderEliminar
  12. Na verdade, em geral as palavras não devem ter fronteiras.
    Mas às vezes elas são aconselhadas pela prudência.
    Em tempos, ouvi um especialista em análises das sociedade (creio que americano) a dizer que o principal problema da sociedade portuguesa era a consideração (eu chamo-lhe hipocrisia). Porque isso impede que se tomem as melhores decisões, seja na política, nas empresas ou na família.
    Por tudo isto, gostei imenso do seu texto.
    Rita, tenha um bom resto de semana.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  13. Td maravilhoso por aqui...vc consegue ligar palavras a sentimentos tão belos...simplesmente comovente!!
    Serei seguidora ...de hj em diante!!abraços meus

    ResponderEliminar
  14. Excelente...que nunca as palavras sejam presas em arame farpado, que nunca haja medo em derrubar fronteiras.
    Brisas doces *

    ResponderEliminar