Google+ Followers

quinta-feira, 28 de março de 2013

Por vezes simplesmente morres






 
Porque morres lentamente quando o dia expira mornamente
E o teu olhar balança na neblina dessa estrada
Vendo o caminho longo que te escasseia a esperança
E sabes que te afastaste de tudo embebido em ti

Às vezes morres sem olhar o céu
E os pássaros cantam o hino da libertação, e deixas cair o corpo num impasse
Talvez as ruínas desse tempo te levem a ver a morte
E despertes desse sono induzido pela velha fada

Por vezes simplesmente morres, como se o rio secasse 

19 comentários:

  1. Quando seca, seca já nada "o" ou "a" reabilita.

    ResponderEliminar
  2. Atrás da neblina há sempre uma linda poesia, abraços

    ResponderEliminar
  3. Simplesmente acontece assim.....


    Feliz Páscoa

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Porque a vida é isso mesmo: nascer - viver e morrer.
    Feliz Páscoa.
    Beijinho
    Irene Alves

    ResponderEliminar
  5. por vezes.
    mas precisamos renascer, mesmo que os rios sequem.
    uma boa Páscoa.
    um beijo


    :)

    ResponderEliminar
  6. parece tão simples dito assim

    outras vezes nasces, e é tão simples dito assim


    uma Páscoa feliz para si, Rita

    ResponderEliminar
  7. Às vezes eu ando e mato/ às vezes eu paro e morro (Carlos Posada)

    ResponderEliminar
  8. Por vezes acontece isso, mas quem sabe não será necessário morrer para renascer...
    Beijinho

    ResponderEliminar
  9. Morre, mas renasce! É a Páscoa com seus mistérios! Meu beijo.

    ResponderEliminar
  10. Só a ausência do Sonho pode secar um rio.


    Um beijo

    ResponderEliminar
  11. Oxalá se morresse, simplesmente, com a noção do dever cumprido.

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  12. Por vezes, esse sono induzido faz-nos mesmo morrer um pouco...
    Encantado com o teu poema.
    Excelente, minha querida amiga Rita.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  13. Poesia que forma o rio da vida. O Céu continua mas nós mudamos como as pedras do xadrez
    A vida continua e os sonhos não nos deixam morrer

    ResponderEliminar
  14. O duro é que a coisa é bem assim mesmo... necessário, mas poderia ser mais ameno...

    Muito bom, gostei de verdade...

    []s

    ResponderEliminar
  15. Morremos todos os dias um pouco, quando por eles passamos a correr, sem prestarmos atenção às pequenas belezas que eles nos querem mostrar e assim " morremos sem ver o céu...e assim nos afastamos de tudo embebidos em nós ". E, apesar dos pássaros com os seus belos cantos nos quererem alertar para o caminho que estamos a percorrer com demasiada pressa, nós nem os ouvimos; mas eles voltam... e cantam... e cantam sem cansarem. Um dia acordaremos, quereremos ouvir os pássaros, cheirar as flores, olhar o céu, mas...será tarde, porque já morremos. Um beijinho, Rita e muito obrigada por este belo poema que forçosamente nos leva a uma profunda reflexão
    Emília

    ResponderEliminar
  16. Isto está MAGNÍFICO. E também tão verdadeiro... mas os pássaros da esperança e da alegria tornar-nos-ão viventes de uma vida melhor...

    Um beijinho

    ResponderEliminar