Google+ Followers

domingo, 6 de janeiro de 2013

Não sei









Existe uma dúvida
 entre os meus passos e a estrada que vejo
E a sincronia da vida não me desvanece o mistério
Que todas as alvoradas me despertam,
inquietando-me a alma

Não sei onde quero ir, 
Se os meus instintos invocam as musas ocultas
A razão me chama, numa rotina friamente falsa
E esta incerteza
 entre os meus passos e a estrada que vejo.

E eu, que tantas vezes me sinto tão real
Encontro a metáfora nessa paisagem.
 

22 comentários:

  1. Rita,
    Se não sabes onde queres ir, não vás por aí:)

    Não vale a pena correr quando estamos na estrada errada!

    Beijinho
    (Areeiro?)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá JP. Obrigado pela visita.

      A foto é no Areeiro

      Beijinhos

      Eliminar
  2. Lindíssima a fotografia e cada palavra, Rita! Adorei. Um beijinho muito grande e bom resto de Domingo.

    ResponderEliminar
  3. Que bonito seu espaço.

    Lindas palavras, e sua foto de perfil é um sonho. Tão mar.

    Abraços.

    ResponderEliminar
  4. os nossos passos, muitas vezes, não reconhecem a estrada

    também é real a metáfora


    um abraço, Rita

    ResponderEliminar
  5. Minha querida

    Por vezes os caminhos não são os que sonhámos, mas temos que ir afastando as pedras e caminhando sempre, mesmo com os pés feridos.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  6. "A dúvida é a nossa eterna companheira."

    Beijo.

    ResponderEliminar
  7. existem sempre dúvidas...

    abraço Rita

    ResponderEliminar
  8. Por metáforas

    por vezes
    somos mais reais

    ResponderEliminar
  9. Creio que essa dúvida é essencial para encontrarmos o caminho certo... São assim as metáforas, reveladoras! :)

    Beijo, Bom Ano!

    ResponderEliminar
  10. Rita, desculpa se não gostas muito destas coisas mas tens um selo de presente no meu blogue. Beijinho

    ResponderEliminar
  11. Gostei particularmente do fim. Palavras bem urdidas na poesia e no sentir...

    Beijinho

    ResponderEliminar
  12. Rica expressão poética sobre os conflitos nos caminhos que a alma vislumbra e a as regras urdidas pela contabilidade da mente.
    O instinto não desiste.
    Nem a mente.
    E neste carrocel baloiça/ balança o coração!

    ResponderEliminar
  13. Rita.olhe nos sabemos sempre para onde queremos ir....as vezes os caminhos sao dificeis o que muitos de nos pensamos que será que consigo la chegar ao fim do percurso...... Para mim so as arvores agarradas a terra..nao se conseguem movimentar mas revoltam-se e dao muitos ramos..os barcos sao bonitos no cais.... mas nao foram contruidos para ali estarem... navegam..alguns vao ao fundo..As pessoas procuram sempre caminhos sempre...... pode nao ser o caminho certo.....e tambem a buracos esses se forem pequenos a malta safa-se se forem grandes será pior...

    vamos lá caminhar ....e sempre com vontade de o fazer....

    Rita obrigada pela visita......o seu blog tem muitos bons textos sem duvida
    Um beijo
    Rui

    ResponderEliminar
  14. "não sei onde quero ir...".

    Rita,
    por alguma razão "tens dúvidas" entre os teus passos e a estrada que vês.
    a dúvida denuncia que sabes o que queres, e também onde queres ir. tens passos a dar e uma estrada para desbravares mas, será dúvida... ou medo??

    bj...nho

    ResponderEliminar
  15. Olá, Rita. Soube caminhar pelo poema com muita perícia. Parabéns.

    ResponderEliminar
  16. a imagem que deu inspiração ao poema é muito bela, e todos nos nos sentimos assim como dizes no poema.
    temos de nos perder para nos reencontrarmos, acho eu.
    muito belo, poema e foto.
    boa semana
    beijo

    ;)

    ResponderEliminar
  17. .



    Rita, amanhã eu vou fa-
    lar sobre os que acredi-
    taram que o mundo tinha
    data marcada para termi-
    nar e do desastre que es-
    sa crença provocou.

    Eu garanto que será uma
    leitura fácil entremean-
    do a notícia com humor.

    Espero você lá, no meu
    blog.

    Beijos,

    silvioafonso







    .

    ResponderEliminar
  18. Linda imagem e maravilhoso o poema, principalmente no final. Ele nos diz muita coisa... Parabéns! Adorei o blog... Já estou seguindo!

    ResponderEliminar
  19. Passos lindos e muito bem direcionados, mesmo sendo a dúvida nossa eterna companheira. Bjs.

    ResponderEliminar
  20. Também já não lembro o gosto das amoras, mas ainda revejo as silvas nas beiradas da estrada e várias menininhas tentando apanhá-las; recordações que ficaram e que as tuas palavras vieram reviver. Também não sei onde quero ir...onde quero estar...nem mesmo o que quero fazer neste aqui e agora onde estou. Somos almas inquietas que a cada dia se interrogam se os passos serão os adequados para a estrada que vemos; a cada dia a estrada é diferente e a ela temos que adequar o passo; nem sempre o sabemos fazer...nem sempre nos deixam fazer, nem sempre estamos dispostos, mesmo tendo a certeza do caminho a seguir. A vida é complexa...os caminhos tortuosos e a coragem é sempre muito necessária. Adorei, amiga. Um beijinho muito especial e que a vida te dê sempre estradas fáceis para que dúvidas não te surjam. Há sempre algumas para todos, penso eu. Fica bem e até sempre
    Emília

    ResponderEliminar
  21. Existe uma dúvida entre os meus passos e a estrada que vejo
    - escreveste.
    Este verso é de uma grande riqueza e o poema está contido todo nele.
    Ele sintetiza o diálogo entre os passos ( a rotina ) e a estrada ( caminho desejado)
    Bom fim de semana.

    ResponderEliminar