Google+ Followers

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Diz-me onde estou, pai





Diz-me tu, o que o meu pensamento vomita,
Fecundando as emoções ainda virgens,
Vestindo um ego repleto de medo.


Diz-me, pai, o que o meu coração não quer calar
E o meu cansaço não deixa ver
Neste mundo
Que aguarda o retorno dos pássaros.


Nas entrelinhas leio a explosão da terra,
Ferida,
Onde lágrimas de seiva escorrem,
Mudando a paisagem numa gestação de ironias.


Diz-me pai, a saída da treva,


Mostra-nos
As nascentes da luz


Diz-me onde estou…pai


20 comentários:

  1. Necessário se faz, a orientação do pai, se estamos perdidos. Em forma de poesia, assim tão bela, a súplica logo será ouvida...É esperar!

    Um abraço, Riata,
    da Lúcia

    ResponderEliminar
  2. Que poema forte e profundo. Gostei.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Às vezes necessitamos urgentemente de respostas...Daí o apelo...
    Um beijinho
    Irene Alves

    ResponderEliminar
  4. Ai dos que não se perguntam

    Poema excelente
    Um cristal

    ResponderEliminar
  5. Um desabafo, um grito, a carecer de uma resposta já sabida, mas que nunca é de mais repetir. A pugna pela dignidade assim o exige.

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  6. um grito, uma prece, ou apenas saudade.

    muito forte.

    beij

    ResponderEliminar
  7. um poema GRANDE nas palavras. ENORME de atitude. INTELIGENTE ao escolher a quem faz o pedido. a RESPOSTA, quase que a oiço...!!

    Obrigado pela simpática visita ao meu blogue.

    também voltarei...!!

    ResponderEliminar
  8. Um grito de alma...um pedido de ajuda...uma prece em poesia. Perguntas de uma alma inquieta que se sente perdida, sem saber o que fazer perante tantos problemas que não conseguimos evitar, por tantos actos insensatos do ser humano que somos incapazes de deter. Gritamos...pedimos e essa ajuda só pode vir do pai. Não há ninguém melhor para nos acudir! Adorei amiga e...muitas vezes tenho desses desabafos para um pai que ainda está presente e que consegue com o seu abraço acalmar um pouco a minha alma inquieta. A idade já é avançada e muitas vezes já sou eu que ouço os gritos dele...gritos já bastante silenciosos, infelizmente.. Parabéns. Um beijinho e fica bem!

    Emília

    ResponderEliminar
  9. O que seria de nós sem a pergunta?
    Sublime o seu poema!
    Beijinho
    Sónia

    ResponderEliminar
  10. A vida vai-nos ensinando e com o tempo iremos aprender a saber viver e amar estes dias que nos são dados.

    Uma vez na vida todos nos perguntamos:
    -Porque viemos e o que fazemos aqui. Onde iremos e que vida faremos depois.

    ResponderEliminar
  11. Minha querida

    Por vezes por mais que a nossa alma grite, a resposta à nossa prece tarda em chegar.
    Gostei muito de te ler.Sublime.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  12. Um forte poema de apelo e desejos...beijos amiga e um belo final de semana pra ti.

    ResponderEliminar
  13. Um belo sábado pra ti minha amiga,,,muitas flores e poesias...beijos e beijos...

    ResponderEliminar
  14. Por vezes sentimo-nos perdidos, e é bom ter quem chamar, que nos guie o caminho...

    Beijos, bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  15. Precisamos sempre que alguém nos diga alguma coisa...
    Magnífico poema, gostei muito, como sempre.
    Rita, querida amiga, tem uma boa semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  16. Olá Rita, muito obrigado pela visita no meu blogue e por me deixar segui-la. Ter-me adicionado também. Desejo-lhe uma boa semana e deixo-lhe um beijinho. Fico feliz de segui-la, o seu blogue é lindo!

    ResponderEliminar