Google+ Followers

segunda-feira, 18 de junho de 2012

CONDIÇÃO HUMANA







Um Deus secreto segreda-lhe a fragilidade
Dessa viagem nesse Outono tépido
Pecados inquietos da alma
Peregrinam
Sob essa luz trémula do sol morno

Viajante através da terra densa
Em busca do tocador de lira
De encontro à montanha que atingia o céu
Onde ao longe ouve o canto das musas

Nómada em busca dos deuses
Que sacralizem a sua existência
Reúne-se nas noites das ninfas
Bebendo o néctar, sorvendo a imortalidade

Nos tempos de denso nevoeiro
Enrosca-se
Na sua condição de humano no resgate à luz

20 comentários:

  1. Gosto dessa visão, dum ser que se arrasta nas suas contradições.
    Muito bem, Rita!

    Beijo :)

    ResponderEliminar
  2. Querida Rita!
    belo texto e obrigado pela visita ao meu humilde blog.
    Estarei sempre por aqui também.

    Beijos!

    ResponderEliminar
  3. Boa Noite minha Amiga.
    Como sempre adorei seu poema na verdade já sou sua fã.
    Uma linda e feliz semana beijos,Evanir.

    ResponderEliminar
  4. A nossa condição humana esta sempre baseada nas tendências naturais e também nas nossas próprias necessidades.

    Deus será a força da perfeição que todos buscamos para completar a nossa própria vida.

    ResponderEliminar
  5. visão algo contraditória, mas sempre bela.

    escreves muito bem!

    um beij

    ResponderEliminar
  6. E que nessa condição de humano enfim encontre a luz desse caminho...beijos de bom dia pra ti amiga.

    ResponderEliminar
  7. As contradições existem

    a questão é resolvê-las

    ResponderEliminar
  8. E a nossa condição humana é feita de fragilidades! Belíssimo poema Rita, adorei! Um abraço e um beijinho com amizade.

    ResponderEliminar
  9. enrosca-se

    como entendo essa condição

    muito bonito, Rita!

    ResponderEliminar
  10. Boa tarde, Rita. Que nessa viagem dentro de si mesma encontre o caminho, a luz, a imortalidade do espírito.
    Que essa procura seja extremamente feliz e rica!
    Um beijo na alma, e fique na paz!

    ResponderEliminar
  11. E a nossa alma sempre inquieta procura serenidade no Deus..nos deuses...nas musas...e até em algum lugarzinho bem escondido na alma de outro alguém. Buscamos sempre qualquer coisa...viajantes...nomados...peregrinos sempre insatisfeitos...sempre à procura de luz mesmo quando ela está na nossa frente e até nos ofusca os olhos; sempre inconformados nesta nossa frágil condição humana. Mas se não procuramos, se não buscamos respostas às inquietudes da nossa alma, penso que não vivemos. Vida é inquietude...é ansiedade...é escuridão...é luz; é um amontoado de emoções que faz de nós seres humanos, embora às vezes sem a humanidade necessária. Lindo, Rita, como sempre. Parabéns, amiga. Um beijinho
    Emília

    ResponderEliminar
  12. Muito bonito...revejo-me nessas palavras... Beijinho

    ResponderEliminar
  13. Nos tempos de denso nevoeiro, nem sempre temos a destreza emocional para conseguir ver para além dele, mas ainda assim continuamos o caminho...

    ResponderEliminar
  14. è isso que tentamos, o resgate à luz, para que da treva surja a nossa verdadeira imagem.
    Gostei do teu poema

    ResponderEliminar
  15. eis o prometeu com fogo nas retinas: o castigo é mera contingência da demanda.

    um beijo certo de todas as montanhas por desvendar!

    ResponderEliminar
  16. O Homem é mesmo frágil, apesar de toda a força que tem. E nem sequer descobriu que os deuses estão dentro de si próprio.
    Magnífico poema. Gostei.
    Rita, querida amiga, tem um bom resto de domingo e uma boa semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  17. Olá, boa tarde.
    Adorei seu blog, achei muito interessante.
    Se não for pedir muito, você poderia me seguir, no meu blog?
    Já estou te seguindo
    Desde de já agradeço =)
    Teh mais!!

    ResponderEliminar
  18. Magnífico poema Rita!
    Gostei muito.

    Beijo
    Sónia

    ResponderEliminar