Google+ Followers

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Eu vivia para te ver caminhar para mim





Eu vivia para te ver caminhar para mim
Trazias a cor púrpura do sol e a brisa amena do mar
E caminhavas com o sorriso inocente
Com olhos de céu e mar
De quem ama sem medo de amar

E eu vivia para te ver caminhar para mim
Vivia pelas tardes que te via chegar
E acreditava no teu sol
E acreditava no teu céu
Vivia para simplesmente te amar

Era a sabedoria cândida da meninice
Em que nos amávamos naqueles fins de tarde
Sem mundo nem terra para testemunhar
Um amor livre de condições de amar

Vivia na inocência de amar
 

5 comentários:

  1. Tão bonito. Gostei mesmo deste poema, tinha razão.

    ResponderEliminar
  2. Com inocência e pureza o Amor torna-se muito mais lindo. Delicado poema que acarinhei.

    * gosto da tua selecção de citações.

    Grande beijo

    ResponderEliminar
  3. Que lindo, Rita! "Um amor livre de condições de amar", vive-se na inocência.

    Bjs.

    ResponderEliminar