Google+ Followers

sexta-feira, 30 de junho de 2017

SONHO

Fanal - Madeira
De repente do sonho nasceu a luz, aquela que me fez descer à terra e viver o meu renascer.
De repente, no primeiro suspiro da vida que me deixou viver, eu voltei, feliz que estava de sentir o teu calor, ou o sussurrar da floresta mesmo em dias sem sol, ou os teus devas mágicos cantando a paz, ou mesmo as gotas de cristal em dias de tempestade que me limpavam a alma da escuridão.

E eu despertava com o cheiro dos lírios no lento entardecer do sonho.

6 comentários:

  1. Felizes os que nascem quantas vezes é preciso.
    Maravilhoso texto!
    Beijos.

    ResponderEliminar
  2. Amiga querida Rita,
    Esse teu sonho de luz
    É tu'alma que seduz
    A tua mente bonita.

    Sonhas com a luz infinita
    Na tua Funchal que induz
    À beleza e não à cruz
    Ao povo que aí habita.

    Sabes compor poesia
    Com uma tal maestria
    Que na verdade és a luz

    Do teu sonho que alumia
    Esse ilha com a magia
    De quem à Ilha faz jus.

    Grande abraço. Laerte.

    ResponderEliminar
  3. renascer é preciso!
    e se o sonho entardece procuremos outras manhãs
    gostei também da foto.
    beijinhos
    :)

    ResponderEliminar
  4. Dar asas...
    Fundamental.

    Um beijinho, Rita :)

    ResponderEliminar
  5. Uma prosa muito agradável, com cheiro e sabor.
    Sonhar faz parte de nós, tal como concretizar.

    Beijos e bfds, Rita!

    ResponderEliminar