Google+ Followers

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Perdoa-me







Perdoa-me por deixar de te amar
Embrenhada na efemeridade dos sentimentos
Nesse amor vestido de cansaço
Das noites que sofregamente te bebi

Perdoa-me essas lágrimas de adeus
Que por deixar de te amar
Melancolicamente brotam nas águas do rio
Que nem o seu misterioso sussurrar me consola

Perdoa-me esta velha canção
Que de tanto te amar se entristeceu
Habituando o coração à dor
No remorso de não conseguir te amar.

19 comentários:

  1. Lindo.

    "Perdoamos na medida em que amamos."

    Beijo meu.

    ResponderEliminar
  2. Triste deixar de amar, mas jamais superará a do espelho! abraços

    ResponderEliminar
  3. O ato de deixar de amar quando se mistura com essa sofrida despedida, realmente deixa os versos belos, serenos,e o coração dolorido...beijos de bom dia pra ti amiga.

    ResponderEliminar
  4. Mas que poema tão bonito. Libertador. Ainda que seja no momento da despedida, do adeus, as suas palavras conseguiram trazer beleza e poesia.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. diria que é quse um monologo, ou uma oraçao

    nostálgico, mas muito belo!

    beij

    ResponderEliminar
  6. Perdoa-me é uma prece e um pedido. Nasce da dor da partida, da separação e do desencontro.
    Encanta pela suavidade dos sentimentos.

    ResponderEliminar
  7. Por vezes nós, nos vemos nas palavras. E com esse mesmo intuito, vejo que aparentemente o "perdão" se tratava das limitações de um coração. De si mesmo, não ao doar ao outro o perdão. Mas tendo que partir, enfim (deixando-o). Nada de singelo, um poema grandioso. Um beijo, Ana.

    ResponderEliminar
  8. Bom dia, Rita. Um belo poema que escancara a dor de ter deixado de amar. Dor essa que ninguém escolhe passar, porém ela vem em forma de angústia, desalento, ferida, que só o tempo fará aliviar!
    Vez em quando até queremos continuar amando, mas o nosso coração não obedece a nossa razão, criando-se um conflito.
    Não temos de nos perdoar, fizemos na maioria das vezes, o que poderia ser feito, contudo, em vão!
    é a história de cada um!
    Adoro os seus poemas!
    Um beijo na alma, e fique na paz!

    ResponderEliminar
  9. até o beijo pode adormecer nos lábios do cansaço...

    beijinho triste, rita!

    p.s. adoro o efeito das fotografias em 16:9

    ResponderEliminar
  10. É assim:

    O amor, por vezes

    vem... e vai...

    Bjsss

    ResponderEliminar
  11. às vezes não tem porque se desculpar. a vida é isso.

    ResponderEliminar
  12. Ninguém tem culpa de deixar de amar...
    Mas o poema é magnífico.
    Gostei muito.
    Rita, querida amiga, tem um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  13. Um dia repleto de paz e poesia pra ti minha amiga...beijos e flores pra ti.

    ResponderEliminar
  14. O amor por vezes acoberta a dor
    e a libertação surge em forma de canção
    bela e triste... são os ciclos da vida.
    Um lindo poema... é a primeira vez que a visito, e gostei muito da sua poesia. Um beijinho com amizade!

    ResponderEliminar
  15. O amor inspira poetas...enche a nossa vida; é de certeza a palavrinha mais escrita, mais falada, mais desejada; no entanto às vezes fere de tal maneira que parece que a vida se vai; fere porque não chega...fere porque o desejamos demais e fere também porque temos que o deixar ir. Complexo o amor, amiga! Complicados somos nós também, porque muitas vezes não sabemos lidar com ele. Mas a vida é assim mesmo e nós fazemos parte dela, por isso há que aceitar as coisa como elas são, fazendo sempre os possíveis para dar e receber muito amor. Um vai outro virá...sem ele é que não poderemos ficar. Belo poema, como sempre, Rita. Um beijinho e fica bem
    Emília

    ResponderEliminar
  16. deixo hoje o meu sorriso :) e os votos de um belíssimo fim de semana.

    beij

    ResponderEliminar
  17. É belo, muito belo!... Fiquei também :)

    ResponderEliminar