Google+ Followers

terça-feira, 9 de maio de 2017

Apetece-me amar



Hoje apetece-me amar

Talvez sentir amar mais do que falar

Apetece-me calar a razão fria

e entregar-me ao amor

Eternizar o orgasmo

mesmo no sono inconstante


E amar-te

mesmo no fim do cansaço

Hoje, agora, apetece-me amar

Mesmo depois do ontem

Mesmo sem o amanhã

Até que nasçam lírios no céu



10 comentários:

  1. E apetece-te uma coisa boa, o amar...

    abraço Rita

    ResponderEliminar
  2. É urgente o amor
    para lá de todos os azuis
    Bj

    ResponderEliminar
  3. Olá Rita.
    Gostei de tua postagem, da imagem belíssima,
    e do inspirado e belo poema. Parabéns.
    Um abraço.
    Pedro.

    ResponderEliminar
  4. Rita
    um poema cheio de amor, ternura e paixão.
    com a simplicidade que por vezes o amor tem.
    beijo
    :)

    ResponderEliminar
  5. Belo poema. Rita. De repente lembrei-me de Torga quando diz: "Felizes os que amam depois do amor e só desejam no fim do prazer"...
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  6. Olá, o seu apetito para amar é natural, acontece a todos, o poema de amor é lindo.
    Feliz fim de semana,
    AG

    ResponderEliminar
  7. Pois eu, lamentavelmente, apetece-me não amar... mas não consigo.

    ResponderEliminar
  8. E como é bom amar.
    Belissimo poema e linda fotografia.
    Bom fim de semana
    Beijinhos
    Maria

    ResponderEliminar
  9. Procurando a lucidez,
    Achei vontade de amar!
    E essa visão do mar
    Dá a luz da pequenez

    Que somos ou que talvez
    Sejamos sem ter um lar
    Onde o amor possa morar
    E dar a alegria em vez

    Da triste tristeza em ter
    Um coração sem prazer
    Empedernido e infeliz

    Sejamos amor! O ser
    É o puro amor, só por ser
    Um ser de Deus e Ele o quiz.

    Grande abraço. Laerte.

    ResponderEliminar