Google+ Followers

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Minha história



Com cal e sal construí a casa da minha história
Com sol e lua pintei os anos da vida
Criei o meu conto, o meu sono, o meu lar
Nesse era uma vez que continua
 
 
Colori a ficção quando o dia nascia

Manchei a verdade quando via palácios
Deixei que a chuva me crivasse de lágrimas
Deixando-me esculpida na terra molhada
 

E eu que me supunha tão pobre
Deixei o amor rabiscar o meu conto

14 comentários:

  1. Boa tarde,
    exatamente como a historia e nossa começa também no mar,
    Poema excelente onde cria uma casa de poemas.
    Abraço
    ag

    ResponderEliminar
  2. Casa de cal e sal , mar, sol, e, embora com lágrimas, é uma casa com amor. Gosto da tua poesia.Beijos.

    ResponderEliminar
  3. E quando os contos são rabiscados pelo amor, são como as levadas da Madeira...correndo todo o ano em folia :))

    Beijinho

    ResponderEliminar
  4. manchaste mesmo a verdade...

    abraço Rita

    ResponderEliminar
  5. como a história da nossa casa,

    com rabiscos de amor


    um abraço, Rita

    ResponderEliminar
  6. E nessa tua história, revejo " A minha história " , uma história feita de " de sal...de sol...de lua "; também "manchei verdades " colori dias que nasceram escuros...pintei de negro alguns que nasceram luminosos; os sonhos nasceram...alguns matei...outros, porém realizei. Muitas vezes também me " supus pobre " , mas, com o passar do tempo.consegui algum sossego...a minha alma foi-se aquietando...alguma serenidade fui conquistando e finamente " deixei o amor rabiscar o meu conto " conto que continua, mas agora com nuances diferentes; não dou demasiada cor ao dia que nasce cinzento...não exagero no negro quando o dia amanhece cheio de luz.; busco a cada dia o equilibrio...a harmonia...o espanto perante os pequenos nadas da vida.e assim vou tendo a certeza de que afinal não sou nada pobre. E o conto contiua, amiga!!!
    Obrigada por me teres permitido que na tua história eu introduzisse um pouco da minha, levando-me assim a pensar nos pequenos nadas que compõem a minha vida e aos quais nem sempre dou o verdadeiro valor. Foi um belo momento, Rita! Um beijinho e até sempre.
    Emília..

    ResponderEliminar
  7. Uma história de vida, poeticamente bem contada.
    Gostei muito, como sempre.
    Um beijo, querida amiga Rita.

    ResponderEliminar
  8. Minha querida

    Que o amor continua a rabiscar a tua vida com muita felicidade.
    Lindo sempre e profundo.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  9. Gostei muito. É sempre um gosto ler a poesia que insere
    no seu blogue.
    Desejo que esteja bem.
    Bj.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
  10. Se deixaste o amor rabiscar o teu conto ele será um belo conto! Meu beijo.

    ResponderEliminar
  11. Reli o teu maravilhoso poema, minha amiga.
    Mas volto pata ler o próximo...
    Rita, tem um bom resto de domingo e uma boa semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  12. se foi rabiscada de e com amor, então nunca serás pobre...

    :)

    ResponderEliminar
  13. Oi Rita
    Histórias que o amor permeia entre as palavras sempre termina e 'foram felizes pra sempre' ... rs
    Lindo poema e imagem
    com meu abraço e carinho

    ResponderEliminar