Google+ Followers

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

O gosto das amoras






Hoje recordo o gosto das amoras, quando esperava o tempo
Num tempo em que te embalava, no mistério sedutor de Afrodite

Recordo o teu mistério tentador
Quando construi a Esfinge para te guardar em mim,
Quando te preservei, num poder místico, que nem o tempo levou

Os meus olhos acostumados à penumbra
Olham-te na sedutora neblina do ocaso
Nessa tarde cálida onde adormecem os pássaros
E eu recordo o gosto das amoras

Poderá ser o teu mistério sedutor

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Natal






 

Disseste-me que estarias em cada floco de neve que caísse do céu,
Em cada raio de sol que tocasse a minha pele,
Em cada mar que beijasse a terra
Em cada animal que respirasse comigo.

Disseste-me que poderia ouvir-te na melodia dos búzios,
e na canção das gaivotas.
Que viverias em tudo o que os meus olhos tocassem.

E o meu coração aquietou-se,

 Ao ver-te em cada gota de orvalho que humedece a terra
Ao ver-te pulsar no coração de Gaia.

E o meu coração serenou
Ao ver-te nascer na aurora,

 Fez-se Natal

E a vida falou

sábado, 15 de dezembro de 2012

Amar na noite






Ambos esperavam o silêncio da lua
O desfalecer do sol e o estremecer das estrelas
E amavam-se num anonimato sedutor
Onde o riso das feiticeiras ecoava longínquo
Embalando a noite nos rituais das corujas

Ambos esperavam o cair da noite
Apenas a respiração sussurrando num murmúrio
Qual apelo sensualmente retórico  

E esperavam a mutação das sombras e o sono das flores

Embarcavam na neblina noturna
Sentindo a textura da terra e o silêncio da água
Os corpos fundidos numa só sombra
Amavam-se no misterioso sossego

E esperavam os aromas da noite
A treva estranhamente bela
  

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

E a vida passou






E a vida passou no silêncio do tempo,

no culto perfeito da ética hipócrita
E envelhecem-se as crianças
E despem-se as memórias

E a vida passou como sombra suave na praia
Passou na canção das marés
Onde se encantam as baleias
Onde se desnudam as almas

E passou transfigurada na carne
Num cavalo à solta
Em busca dos deuses