Google+ Followers

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

A alma da ave

national geographic

Quero ser a alma da ave
 Aquela ave que voa para além do olhar
Aquela ave com alma que voa


Quero ser a alma da ave

Conhecer o mistério das suas asas
E nesse olhar liberto de grades
Conhecer a liberdade da sua alma

Quero ser a alma da ave
Essa alma que rompe o céu rumo ao todo
Que voa no meio do nada, sem nada querer

Quero ser essa alma que voa


quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Eu vivia para te ver caminhar para mim





Eu vivia para te ver caminhar para mim
Trazias a cor púrpura do sol e a brisa amena do mar
E caminhavas com o sorriso inocente
Com olhos de céu e mar
De quem ama sem medo de amar

E eu vivia para te ver caminhar para mim
Vivia pelas tardes que te via chegar
E acreditava no teu sol
E acreditava no teu céu
Vivia para simplesmente te amar

Era a sabedoria cândida da meninice
Em que nos amávamos naqueles fins de tarde
Sem mundo nem terra para testemunhar
Um amor livre de condições de amar

Vivia na inocência de amar
 

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Lar



Procurei o lar nas estradas e veredas
Nas caminhadas da minha existência.
Procurei o lar nas moradas incertas

Procurei a quietude e a calma
No aconchego da verdade
Procurei nos lares das muitas moradas.

Procurei num mundo que não me pertence
E na amnésia da minha mente
A paz de um lar que sabia existir.

E quando me aquietei
Refugiando-me no silêncio pacífico
Encontrei a paz na última morada
 

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Vidas






Vidas opacas que se cruzam e descruzam
Reflectidas em espelhos do tempo
Vidas que atravessam dimensões
Vidas infinitas no tempo

Vidas Finitas na matéria, Paralelas no tempo,
Vidas que vivem a cada respiração
Que amam na carne perecível
E se afundam no alucinar da mente

Vidas que sobrevivem
Para viver